GM propõe demissão forçada a trabalhadores 

GM propõe demissão forçada a trabalhadores 

A GM propôs na segunda-feira (18) um PDV (Programa de Demissão Voluntária) para os funcionários das três fábricas de São Paulo: Mogi das Cruzes, São Caetano do Sul e São José dos Campos. No entanto, o programa de demissão “forçada” não foi aceito pelos colaboradores. 

Fábrica GM
GM propõe demissão forçada em três unidades – Foto: Divulgação

GM quer demissão forçada de funcionários das unidades de SP

De acordo com a montadora, os funcionários poderiam aderir ao programa até a próxima terça-feira (26) e seria direcionado aos colaboradores das áreas de produção e suporte à manufatura com o mínimo de sete anos de casa. 

Além das indenizações, a empresa ofereceu oito opções de incentivos para aderirem ao desligamento.

Entre as possibilidades estão 21 meses de plano de saúde sem pagamento de salário adicional ou sete salários adicionais sem o plano de saúde. 

‘;
gmAdCmds.push({command: ‘gmAdUnit’, params: {
type: ‘banner’,
gam: ‘/22277837561/garagem360.com.br/Content_Generico_Desktop_Mobile’,
sizes: [[250, 250], [300, 250], [336, 280]],
divID: ‘teads_place’,
mapping: ‘content_fluid’,
reloadable: true,
bidders : {
smart: 95896,
verizon: ‘auto’,
appnexus: 21114108,
medianet: ‘444631575’,
projectagora: 25231862,
useNative: true,
rubicon: ‘2387102’,
seedtag: {adUnitId: ‘27126862’, placement: ‘inArticle’},
taboola: ‘ROS-300×250’
}
}});
gmAdCmds.push({command: ‘gmAdReload’, params: ‘teads_place’});
}

Em outras palavras, quanto mais salários o colaborador aceitasse, menor seria o tempo de cobertura pelo plano médico. 

Conforme foi apurado pelos nossos amigos do AutoData que teve acesso ao documento enviado aos trabalhadores, a montadora afirma que o cenário das vendas de carros no país obriga a empresa a fazer ajustes em suas capacidades produtivas e adaptar a operação ao tamanho do mercado. 

Entre as justificativas da companhia estão os altos juros e instabilidade na América do Sul (antes eram a falta de peças). Além disso, afirma que não há previsões de melhora, mesmo em 2024 e que seus esforços para adequar a produção não foram suficientes, como férias coletivas e days-off. 

“Além deste panorama interno outros países da América do Sul também passam por incertezas econômicas e políticas, o que causa impacto direto sobre as exportações. As projeções mostram que essa condição não deve mudar neste ano e nem em 2024. Sendo assim será necessário iniciarmos um plano de reestruturação”, diz nota da GM. 

Adesão zero por parte dos funcionários

A proposta se deu para os funcionários das unidades Mogi das Cruzes, São Caetano do Sul e São José dos Campos, todas em SP. 

O documento que chegou aos trabalhadores da fábrica de Mogi das Cruzes não foi aceito. De acordo com David Martins de Carvalho, o vice-presidente do sindicato local, o programa de demissão voluntária é péssimo quando comparado com outras montadoras. 

O sindicato dos metalúrgicos de São Caetano do Sul diz esperar por novas propostas. 

Já os funcionários de São José dos Campos consideraram a proposta insuficiente, dessa forma não houve nenhum voto favorável.

Nesta unidade, o lay-off aceito pela classe deve trazer estabilidade até maio de 2024, mas o futuro ainda é incerto. 

Somente os trabalhadores da unidade de Gravataí (RS), de onde sai o Onix, não receberam qualquer proposta.

Source link

oslow

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *